Mensagem da Diretoria-Superintendência
G4-1

Ao final de 2014, a Portonave vislumbrava um novo ciclo de desafios e oportunidades. Em um ano difícil para a economia brasileira, conseguimos, apesar de uma leve queda na movimentação de cargas, ampliar a Receita Operacional Bruta relativa às atividades portuárias, que alcançou R$ 457,4 milhões, um crescimento de 18,42% em comparação ao ano de 2013. Considerando-se as demais atividades, nossa Receita Operacional Bruta fechou em R$ 457,4 milhões, com queda  de 2,5% em relação ao ano anterior. Essa queda foi influenciada pela diminuição das atividades de “trading company” de nossa subsidiária Iceport, que passou a focar esforços em atividades com melhor rentabilidade e sinergia operacional.

 

Na comparação com o ano anterior, o lucro base também registrou crescimento, de 20%, alcançando
R$ 133,5 milhões no período. Diante de um cenário cada vez mais competitivo no setor portuário, a Portonave manteve a liderança na operação de cargas conteinerizadas em Santa Catarina. Todos esses resultados são importantes para reforçar os planos de ampliação de nossa capacidade produtiva e, por consequência, de melhoria da posição da Portonave no mercado.


Focada no crescimento, a Companhia iniciou as obras de expansão da retroárea do Terminal, adquiriu novos equipamentos e investiu em seus colaboradores. Até o final de 2015, a área destinada a abrigar os contêineres passará de 270 mil m² para 400 mil m², agregando valor e qualidade aos serviços oferecidos a importadores e exportadores. Ainda em 2014, recebemos 15 novas carretas do tipo Terminal Tractor (TT), visando ao aumento da produtividade, quesito no qual a Portonave foi recordista sul-americana no dia 18 de outubro, quando atingiu a marca de 270,4 movimentos por hora (mph) na movimentação de contêineres no navio MSC Agrigento. O recorde aconteceu na semana em que o Terminal completou sete anos de operação, enchendo nossas equipes de orgulho.

 

Além da mobilização interna, a Portonave seguiu engajada na busca por soluções para fatores externos que limitam seu desempenho. O projeto da nova bacia de evolução do Rio Itajaí-Açu, no qual a Companhia tem participação ativa, avançou o suficiente para acreditarmos que ao início de 2016 as obras estejam concluídas. Se assim for, em breve teremos condições muito mais favoráveis à competitividade, com a possibilidade de receber navios maiores. Estamos atentos, também, à superação das dificuldades de acesso rodoviário à região, como a duplicação da BR-470 em Santa Catarina, fundamental ao escoamento da produção da região Sul.

 

Estamos cada vez mais empenhados em identificar novas formas de contribuir com o desenvolvimento sustentável da comunidade que tão bem convive com a Portonave. Construímos uma relação harmônica, que tem na parceria seu valor fundamental. Por isso a Companhia apoia diversas iniciativas da comunidade e desenvolve projetos sociais, culturais, educacionais e esportivos, que beneficiam crianças, jovens e adultos de Navegantes. Ações de aproximação, como o Painel Portonave de Sustentabilidade e uma pesquisa de opinião realizada ao longo de 2014, nos ajudaram a identificar pontos de melhoria no relacionamento da Companhia com a sociedade, norteando as ações de responsabilidade socioambiental nos próximos anos.

 

Essa disposição em dialogar também está no cerne de um importante reconhecimento conquistado em 2014: a Portonave foi eleita uma das 25 melhores empresas para se trabalhar em Santa Catarina, segundo pesquisa do renomado Instituto Great Place to Work, a partir de uma metologia que prioriza a avaliação dos próprios colaboradores da Companhia. Isso mostra que, apesar de ser uma empresa jovem, a Portonave já tem em sua cultura organizacional a marca do cuidado com as pessoas.

 

Não à toa, representantes de nossos colaboradores participaram ativamente da atualização do planejamento estratégico da Companhia, concluída em 2014. O resultado desse processo representa a junção entre a visão dos acionistas e a daqueles que se dedicam a executar a estratégia no dia a dia. Uma combinação que preparou a Portonave para um novo ciclo de desenvolvimento, tornando-a ainda mais competitiva e sustentável para seguir sua trajetória de sucesso.

 

Osmari de Castilho Ribas

Diretor-Superintendente Administrativo

 

Renê Duarte e Silva Júnior

Diretor-Superintendente Operacional

 

Felippe Basílio Ferreira

Diretor-Superintendente Técnico